Flor Cigana

Leitura é conhecimento. Conhecimento é tudo! Aproveite o tempo livre para criar o bom hábito da leitura. Comece com uma leitura leve e agradável. A vida no interior do sertão norte mineiro, nas décadas de 60/70 até início dos anos 80. Batalhas, vitórias, recomeços. Do sertão para o sertão, com passagem por algumas cidades e pela  capital do Brasil!

AudioBook

    Obs: Caso não ache na caixa de entrada, não deixe de verificar sua caixa de spam, pois acidentalmente o seu serviço de e-mail pode mandar nosso e-mail para lá.

    Cadastre-se para receber pelo e-mail parte do AudioBook do livro. Tenha essa experiência com a gente!

    Sobre o livro

    Flor Cigana é um livro cabível na categoria romance ou novela, conforme alertou o prefaciador e, posteriormente, outros apreciadores também assim alinharam opinião. Retrata a vida no interior do sertão do norte de Minas Gerais, nas décadas de 60 e 70. É uma historia cheia de personagens, onde o personagem mais marcante é o Seu Chiquinho, pai da autora, muito conhecido na região pelo seu jeito carismático e determinado. As histórias contadas se passam na fazenda onde ela foi criada, no município de São Romão-MG, e em diversas localidades onde morou, como estudante. Encerra o livro com o registro do retorno a Minas Gerais, para a cidade de Montes Claros, a grande metrópole da sua região de origem, depois de cursar a primeira faculdade, em Brasília-DF. Veio transferida para agência local da Caixa Econômica Federal, depois de trabalhar, por quase 5 anos, na Matriz do referido banco público.

    Este livro é parte de um conjunto de registros manuscritos, feitos durante algum tempo, no silêncio das ruidosas madrugadas de lembranças, conforme declara a autora.

    Livro Flor Cigana

    É um livro para qualquer idade. Envolvente e leve para os jovens. Cheio de reminiscências para os adultos e idosos que, em algum momento, lembrarão que também viveram algo parecido.

     

    É um livro de leitura fácil, por ser escrito com linguagem simples, clara e em capítulos curtos e com histórias muito engraçadas. 

     

     

    Depoimentos

    Indice de Leitores

    ‘’O Brasil perdeu, nos últimos quatro anos, mais de 4,6 milhões de leitores, segundo dados da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil. De 2015 para 2019, a porcentagem de leitores no Brasil caiu de 56% para 52%. O estudo considera leitor aquele que leu, inteiro ou em partes, pelo menos um livro nos últimos três meses. Entre os enquadrados como leitores, apenas 31% declararam ter lido um livro inteiro nos últimos três meses. Analisando melhor este número, o Ibope Inteligência concluiu que apenas 60 milhões de brasileiros atingiram este patamar.

    O fator que mais contribuiu para essa baixa taxa de leitores no Brasil foi internet e principalmente as redes sociais.”

    (Fontes: AgenciaBrasil e Publishnews ) 

    HORA do mercado editorial e autores usarem este mesmo espaço,  para conquistar o leitor para a leitura literária, oferecendo-lhe leitura prazerosa e útil. Trata-se de leitura descompromissada, nos momentos de lazer, podendo até se tornar um hábito bem viciante, mas muito saudável. 

    Enquanto distrai, sem perceber, vai adquirindo  conhecimentos gerais e culturais, aprimorando a linguagem, a ortografia e aumentando a capacidade de socialização e comunicação. Também envolve e exorciza as preocupações. A leitura, assim como a escrita, é ótima terapia!    E não é ótimo ter lido alguns livros,  para ter assunto na hora de  engrenar um papinho, pra início de paquera?!  Falar do clima é pagar mico!  

    Uso da internet 2021

    Uso da internet

    O site https://www.amper.ag/ , reporta à parceria entre a ‘We Are Social e a Hootsuite’, na produção de relatórios sobre o ambiente digital 2021,  onde revelam que a tecnologia conectada se tornou uma parte ainda mais essencial da vida das pessoas, com mídia social, comércio eletrônico, conteúdo de streaming e videogames, todos tendo um crescimento significativo nesse últimos 12 meses.

    O estudo feito em janeiro de 2021, concluiu que o brasileiro usa a internet em média 10 horas e 8 minutos por dia, equivalente a 42% do dia. Sendo, em média, 3 horas e 42 minutos, dedicadas 

    nas redes sociais, conforme se vê no demonstrativo acima, que está no referido site.

    Essa mesma pesquisa feita em janeiro de 2020, constatou  que o brasileiro passava em media 9 horas e 17 minutos por dia na internet, um tempo grande se comparado com ano de 2021, onde tínhamos um cenário sem pandemia.

    Assim, em média, passamos 153 dias do ano apenas utilizando a internet.

    Supondo que uma pessoa durma em média 7 a 8 horas por dia,  isto significa passar 2/3(66%) do dia, muita das vezes, sem produzir nada, nada que realmente vá agregar valor em sua vida.

    A internet e as redes socias é uma realidade que já faz parte do nosso cotidiano. Mas que tal tirarmos uma pequena fração desse tempo, para ler um bom livro, que nos traga informações culturais e a alegria de conhecer alguns personagens e histórias inusitadas?! Conheçam a obra Flor Cigana!

    Maria Lúcia Nunes da Rocha Leão

    A autora nasceu no município de São Romão-MG, em 15/12/1956,  na Fazenda Poções e com menos de 2 anos  de idade já residia na fazenda que seu pai criou toda a família. Fazenda que ele manteve durante toda a existência, finda em 2015. 

    A presente edição é a primeira feita com todo suporte profissional de uma grande editora, a Editora Viseu, de Maringá-PR. Também é a primeira vez que quem edita oferece amplo canal de distribuição e venda.   

    Este livro já teve outras 3 edições, com 5000 livros distribuídos no norte e leste de Minas, o que,  em tese,  é um ponto positivo  na replicação da divulgação entre os grupos das pessoas que conhecem o livro ou conhecem a autora.

    Desta vez a autora ousa dar mais visibilidade ao seu trabalho, usando os atuais meios de comunicação. Quer que seus segredos se tornem públicos. 

    O título do livro homenageia uma florzinha que sempre a fascinou, como também assim se apelida, pelas andanças que fez em razão da necessidade de viver onde existissem escolas ou em razão do seu trabalho. 

    Trabalhou na CAIXA  ECONÔMICA FEDERAL dos 21 aos 49 anos de idade. Ingressou em Brasília e encerrou em Minas Gerais, para onde retornou após conclusão da sua primeira faculdade, Ciência Contábeis,  na AEUDF, hoje UDF.  

    A segunda graduação, em Direito, deu-se na UBEC/UNILESTE de Coronel Fabriciano-MG, como projeto de vida para após a aposentadoria.